Saúde Tocantins

Saúde discute ações para evitar mortalidade materna e infantil no Tocantins

Comitê Estadual de Prevenção do Óbito Materno, Fetal e Infantil reúne órgãos, instituições e entidades em prol da saúde da mulher e dos bebês tocan...

27/06/2024 12h11
Por: Redação Fonte: Secom Tocantins
Encontro reúne bimestralmente órgãos, instituições e entidades em prol da saúde da mulher e dos bebês tocantinenses - Foto: André Araújo/Governo do Tocantins
Encontro reúne bimestralmente órgãos, instituições e entidades em prol da saúde da mulher e dos bebês tocantinenses - Foto: André Araújo/Governo do Tocantins

Para ofertar um ambiente seguro e com atendimento de qualidade as mulheres grávidas e recém-nascidos com menos de um ano de idade no Tocantins, a Secretaria de Estado da Saúde (SES-TO) promoveu nessa quarta-feira, 26, a 3° reunião do Comitê Estadual de Prevenção do Óbito Materno, Fetal e Infantil (Cepomfi).

Realizado na sede da Pasta, o trabalho contou com a participação de representantes da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn), Escola Tocantinense do Sistema Único de Saúde Dr. Gismar Gomes (Etsus), Hospital e Maternidade Dona Regina Siqueira Campos (HMDR), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Conselho Regional de Medicina (CRM-TO), Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Tocantins (Cosems), Secretaria de Estado da Mulher e da Secretaria Municipal de Saúde de Palmas (Semus).

Para a condutora do encontro, a médica pediatra do Cepomfi/SES-TO, Gabrielle Sevilha, o trabalho é uma conquista para a saúde tocantinense que, em conjunto com outros órgãos, vem prosseguindo no estudo sobre o panorama e o cenário da mortalidade materna no Estado. "Neste primeiro semestre já participamos na elaboração da proposta de um Projeto de Lei na Assembleia Legislativa para a construção da lei da maternidade segura, discutimos a linha de cuidado da gestante indígena e também fizemos um evento a nível estadual, onde os gestores de todo o estado do Tocantins estavam presentes”, relatou.

“Essa reunião é valiosa, pois observamos como conseguimos amadurecer na questão da análise da mortalidade materna infantil, verificando também o quanto colhemos com o evento realizado no mês passado, por exemplo, ficando claro que precisamos olhar para cada município e para cada território, para assim conseguirmos padronizar o motivo desse óbito, entendendo quais são as causas daquele local, daquele município e qualificando a atenção primária no que se refere ao pré-natal e o puerpério”, destacou o superintendente de Políticas de Atenção à Saúde/SES-TO, Robson José da Silva.

A representante da Etsus, a enfermeira da Gerência de Educação Permanente do SUS, Margarida Araújo Barbosa Miranda, relatou que reuniões como estas são importantíssimas tanto para a educação permanente de qualificação dos trabalhadores, quanto para a questão de trabalhar os motivos que ocasionaram os óbitos maternos, fetais, infantis e as medidas de evitabilidade que passam pelo processo de qualificação dos trabalhadores também. "Essa participação da Etsus demonstra o quanto a escola pode propor qualificação a partir das análises dos óbitos, gestar, gerir esse processo de educação permanente dos trabalhadores, pensando, objetivando a redução dos óbitos maternos, fetais, infantis, é de extrema relevância a participação da escola”.

“A nossa preocupação como CRM Tocantins é sempre diminuir a taxa de mortalidade materna, pois sempre estamos preocupados com o que podemos fazer para melhorar e essa comissão aqui é capaz de nos dar uma diretriz. Até porque observamos que a grande taxa de mortalidade materna vem de um pré-natal mal feito e não falo do médico em si, porque o pré-natal inclui uma equipe multidisciplinar que tem deixado a desejar alguns acompanhamentos e algumas doenças”, relatou o conselheiro do CRM-TO, Arnon Coelho Bezerra.

Dados
Os dados da Vigilância do Óbito Materno da SES-TO apontam que, em 2023, o Estado registrou 14 mortes maternas, 238 óbitos fetais e 293 óbitos infantis em crianças com menos de 1 ano de idade.

Metas
Buscando apoio e estratégias para melhor assistência, à SES-TO aderiu ao projeto Zero Morte Materna, elaborado pelo Ministério da Saúde (MS), que tem como objetivo promover intervenções exitosas de promoção, prevenção, diagnóstico e tratamento oportuno e adequado para reduzir as mortes por hemorragias obstétricas, com cuidados contínuos que vão do lar da comunidade para os serviços de Saúde.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.